Guto pede desculpas a Falcão e sai na defesa de Marco Antônio: 'Decisivo em outros jogos'

Professor não gostou das vaias dadas pela torcida ao atleta

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia


O técnico Guto Ferreira assumiu que errou ao voltar para o segundo tempo de Bahia x Ponte Preta com o volante Lucas Falcão.


"Nós começamos bem o jogo até os 25 minutos. A intensidade começou a afrouxar, e eles começaram a crescer. Quando eu coloco o Falcão, é com a ideia de apertar um pouco mais e ter um contra-ataque escancarado com três jogadores, mas não funcionou. Culpa nenhuma do Falcão. Tem situações do jogo que você muda, assim como eu erro. A estratégia não andou, aí que está o detalhe. A gente teve a coragem e pedindo desculpa ao menino, ele não tem culpa de nada", afirmou.


Na coletiva após a partida, o professor assumiu que errou na modificação. "Muitas vezes, você fica com medo de expor o jogador. Eu erro também, às vezes a gente assume uma estratégia que não dá certo. Teve o erro, sim, e teve o acerto na sequência. E teve a leitura que a gente conseguiu fazer".


Marco Antônio -- Defensor do trabalho de Marco Antônio, Guto não gostou das vaias dadas pela torcida no seu momento de saída do campo.


"A torcida do Bahia, assim como ela é incrível na motivação para empurrar a equipe. Tem uma ala que não se contenta com as coisas positiva que acontecem e arrumam coisas negativas. Nós vamos ser campeão brasileiro e o Bahia de 88 se tivesse esse tipo de torcedor também estaria sendo criticado. Marco Antônio teve muita coisa boa. Teve algumas coisas que não fluiu, mas em outros jogos o Marco Antônio foi decisivo. A gente tem que está olhando que o Marco Antônio é um dos jogadores mais experiente e em melhor momento. Nós precisamos de todo mundo, não precisa encher a bola de ninguém, mas precisa receber apoio. É com apoio que eles vão oferecer mais que a expectativas das pessoas. Esse tipo de crítica não leva a nada, leva a destruição do jogador, do grupo, leva mais a derrota do que ao triunfo".