'Parece barriga de aluguel', diz Baraúna sobre time de Transição; Bellintani discorda

Após a discussão, o Al Wasl anunciou Jeferson Douglas, que fazia parte do Transição e saiu sem custos para a equipe da Arábia

Foto: Reprodução / Youtube


Conselheiro do Bahia, o radialista Jailson Baraúna questionou a formação do agora extinto elenco de transição. Para ele, o time serviu como “barriga de aluguel” para que atletas se desenvolvessem e dessem seguimento às suas carreiras longe do Bahia, não deixando nem mesmo o bônus financeiro para o tricolor.

“Fico com o sentimento de que os departamentos que avaliam, as pessoas que avaliam, ou não estão tendo discernimento ou o extinto time de transição parece uma barriga de aluguel para empresários e atletas junto ao Bahia. Muitos vieram ao Bahia, o Bahia os utilizou, o resultado não veio pleno, mas boa parte deles tiveram bons empregos na Série A, Série B e o Bahia não teve ganho desportivo e de direitos. Tivemos o Edson, que o Bahia ficou com um percentual [...], o Bahia libera Edson e fica com Luizão que não joga meia perna. Alesson deu resultado no Vila Nova, e o Bahia ficou com um percentual”, apontou.

Presidente do Bahia, Guilherme Bellintani discordou da afirmação.


“Esses são exemplos pontuais. Alesson eu também não concordo. Eu gostava de Alesson, mas o nosso entendimento é que naquele momento outros jogadores estavam pontuando acima dele. Eu gostava, mas não acho ainda que ele performou. Ele foi contratado e performou razoavelmente em um time da Série B. Eu prefiro citar os jogadores que estavam no time de transição e hoje nos ajudam. Muito possível que nosso time principal tenha 50%. Matheus Teixeira, Borel, Matheus Bahia, Ryan, Ronaldo. Esses mostram mais o time de transição”, disse.

Vice-presidente do clube, Vitor Ferraz reclamou do uso da expressão “barriga de aluguel”. Para ele, remetia a algo sombrio. “Eu só queria cuidado com algumas expressões, como barriga de aluguel. Parece que o clube é balcão de negócios, algo sombrio. O perfil de negociações é claro, ou é um atleta livre no mercado, que pode ser renovado, ou atletas com vínculo com outro clube que chegam sem custos, com a possibilidade de ficar. A exemplo de Gustavo Henrique, que foi adquirido. Só pra ter cuidado, para não trazer expressões que não remetam a algo legal”, pontuou.

Hoje, após essa discussão, o Al Wasl anunciou Jeferson Douglas, que fazia parte do Transição e saiu sem custos para a equipe da Arábia.